junho 01, 2011

SAU-DA-DES

Mudar de cidade é muito bom: um novo mundo inteirinho pra vc conhecer, viver. Novas rotinas, novos jeitos de fazer velhos hábitos.

Mas o engraçado de morar fora é que de repente vc se repara com sentimentos de saudades que nem conhecia. Saudades das pessoas, dos lugares, dos seus cantos preferidos, dos cheiros, das coisas, do cotidiano...

Por exemplo, eu sinto muita falta do meu carro, de dirigir. Apesar de não ter a menor vontade de ter carro aqui em SP. Ou quando passo um final de semana em Porto Alegre, já fico morrendo de saudades do meu apto de SP. São sentimentos cheios de contradições.

E sabe o que eu descobri? Que no caso dos amigos e da família, eu consigo equilibrar a saudade, ficando por dentro das pequenas situações e "bobagens" do dia-a-dia. Isso parece óbvio, mas não é tão simples. Até porque, geralmente as pessoas querem dividir as coisas importantes e significantes que estão acontecendo nas suas vidas e não "qualquer coisinha".

Só para citar alguns exemplos, eu adoooro que o @marcellopereira me inclui nos emails de JAPATIME, as bobagens que eu e a @danipandolfo trocamos via WhatsApp, as conversas via skype com a minha mãe, as novidades e fotos nos Grupos das nossas famílias (as minha e do @mauropaz) no Facebook, poder acompanhar o crescimento dos meus sobrinhos via o blog da minha irmã @kidsindoors, as trocas de cartões-postais. Ufa!

A verdade é que na correria da rotina, a gente esquece de celebrar os pequenos momentos de felicidade, ou compartilhar isso com alguém. Ou simplesmente lembrar alguém como vc é importante para elas. Estando longe ou perto.

E o pior, que quando vou pra Porto Alegre, fica bem difícil de encontrar todo mundo. É tão pouco tempo, pra tanta gente importante, que faz muita falta no cotidiano.

Por isso, os pequenos encontros virtuais são ainda mais especiais.


2 comentários:

Carla Broquá disse...

Bacana o post, é isso mesmo o que acontece. No meu caso, como estou há muitos anos fora de POA, hj não me identifico mais com coisas ou lugares que antes, pra mim, pareciam de uma relevância muito maior do que realmente eram. A única coisa que não mudou foi o sentimento em relação às pessoas. Se pudesse, traria todas elas para viverem aqui pertinho de mim. hehe

gisele.artes disse...

fora as gripes, q deixam a gente com mais saudade ainda - estar perto, mas não poder se encontrar!
Bjão, gi com muita saudade!